Ministro da Educação diz que Brasil está `no fundo do poço` da desigualdade

ANA CARLA BERMÚDEZ - UOL EDUCAÇÃO – 06/08/2018 – SÃO PAULO, SP

O ministro Rossieli Soares da Silva (Educação) disse nesta segunda-feira (6) que a reforma do ensino médio não vai aprofundar as desigualdades já existentes entre as escolas privadas e públicas nem entre as unidades de grandes centros urbanos e de pequenas cidades do país.

`Não existe caminho para o Brasil aumentar a desigualdade [entre as escolas]. Nós temos uma desigualdade que é absurda nesse país`, afirmou o ministro. `Eu tenho convicção de que não tem como, porque a gente está no fundo do poço`.

A fala do ministro aconteceu durante sua participação no 2º Congresso Internacional de Jornalismo de Educação, em São Paulo.

Sancionada por meio de medida provisória em 2017 pelo presidente Michel Temer (MDB), ao lado do então ministro da Educação Mendonça Filho (DEM), a reforma do ensino médio teve como uma de suas principais críticas o estabelecimento de itinerários formativos.

Veja mais

Três em cada 10 são analfabetos funcionais no País

ISABELA PALHARES E JULIANA DIÓGENES - TERRA EDUCAÇÃO – 06/08/2018 – SÃO PAULO, SP

Os preços das ervas, temperos, cebolas e limões na barraca da feirante Onorina Quixobeira da Silva, de 62 anos, são redondinhos: R$ 1, R$ 2, R$3, e por aí vai. Nada de centavos. Quanto menos números, melhor. É contando nos dedos que sai o troco do freguês. Só assim ela consegue identificar o que está nas cédulas e fazer a venda correta. `Muitas vezes me atrapalho e tenho de começar a contar de novo`, conta ela.

Veja matéria completa

DA REDAÇÃO - IG EDUCAÇÃO – 24/07/2018 – SÃO PAULO, SP

O momento de escolher a profissão que deseja seguir é um dos mais difíceis, já que essa decisão pode determinar o que vai fazer para o resto da vida. As diversas opções de cursos superiores disponíveis no mercado tornam tudo ainda mais complicado.

Nesse momento, os estudantes brasileiros tendem a não procurar apenas pela aptidão que apresentam para determinada área, mas analisam também o mercado de trabalho da profissão. Assim, os cursos superiores que parecem apresentar maior estabilidade e opções de trabalho acabam sendo os mais escolhidos.

Listamos os 10 cursos mais procurados de acordo com o Censo da Educação Superior do Ministério da Educação. A lista pode te ajudar, de alguma forma, a escolher a profissão que deseja seguir. Dá uma olhada!

Os 10 cursos superiores mais procurados do Brasil

1. Direito

Impulsionado pelo aumento do debate de temas como corrupção e Lava Jato na mídia, o Curso Superior em Direito é o curso mais procurado do Brasil e teve crescimento de mais de 32% entre 2009 e 2016 (segundo o Censo de Educação Superior).

O Curso de Direito UNINOVE é o único curso da área no Brasil com avaliação máxima no MEC (nota 5)! Então, vista seu terno, e encare esta graduação com até 100% de bolsa !

Confira a lista completa

Polos de ensino superior a distância crescem 133% em um ano

OCIMARA BALMANT - UOL EDUCAÇÃO – 26/07/2018 – SÃO PAULO, SP

Em pouco mais de um ano, o total de polos de ensino superior a distância subiu de 6.583 para 15.394, segundo dados do MEC (Ministério da Educação). A alta de 133% resulta de um decreto que diminuiu as exigências para a oferta da modalidade.

Entre as mudanças estão a autonomia para que as instituições criem seus polos —antes era preciso visita prévia de técnicos do ministério— e o credenciamento de instituições na modalidade EaD sem a exigência da oferta simultânea de cursos presenciais.

O objetivo é ampliar a matrícula de ensino superior no país para atingir a Meta 12 do Plano Nacional de Educação, que prevê elevar a taxa bruta de matrícula nessa faixa para 50% da população de 18 a 24 anos até 2024.

Em 2017, só 23,8% dos jovens entre 18 e 24 anos cursavam faculdade, segundo a Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios).

Clique aqui e veja mais

EAD: 1,5 milhão estuda a distância no Brasil

POR MARIANA LAJOLO - REVISTA VEJA – 20/07/2018 – SÃO PAULO, SP

Durante um ano e meio, a rotina de Max Linder de Moura, 30 anos, foi atribulada. Trabalho, horas perdidas no trânsito, aulas e todos os sábados tomados para cursar um MBA em finanças. A correria levou o administrador de empresas a cogitar desistir de continuar a estudar. Até que ele recebeu um email de uma instituição que falava sobre ensino a distância (EAD). Descobriu ali que a saída para seu problema estava na internet.

“Percebi que era possível fazer um bom curso superior online. Foi uma experiência completamente diferente, mais leve, consegui aproveitar muito mais e ainda ter tempo para descansar e me divertir”, diz ele, que está prestes a entregar o TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) para se formar em economia comportamental pela ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing).

Moura adequou os estudos a sua rotina e encontrou horários alternativos para assistir às aulas, ler e fazer atividades, como nas quase três horas que gasta no trânsito do Rio de Janeiro para ir e voltar do trabalho.

Veja a matéria completa

Back to top