Os mantedores associados reuniram-se em setembro de 2019 para eleger nova diretoria, com mandato de 2019 a 2022. Maurício Neves agradeceu a presença e a colaboração dos colegas durante sua presidência. Ele lembrou que em seu mandato, foram intensificados relacionamento com autoridades da Secretaria de Saúde do GDF para tratar de assuntos de interesse dos associados mantenedores de cursos da SAÚDE, notadamente MEDICINA, com intuito de abolir entraves burocráticos; minimizar dificuldades verificadas nos atuais convênios de estágio e de internato, e melhoramento da efetividade desses convênios com a rede pública; ampliar a oferta para múltiplas atividades; e revisão da destinação de recursos originários da contrapartida.

Na gestão 2016/2019, foram enviadas várias e incisivas correspondências a autoridades do MEC, incluindo ministros, secretários da Secretaria de Ensino Superior, secretários da Secretaria de Regulação e Supervisão da Educação Superior, parlamentares, congressistas presidentes das Comissões de Educação da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, tornando se o SINDEPES/DF protagonista, inclusive tendo conquistado o apoio do SEMESP, na campanha para informatização e digitalização dos processos de manutenção e guarda dos documentos acadêmicos dos alunos matriculados nas faculdades de ensino superior de todo o país. Tal modernização, pela extinção de métodos antiquados e dispendiosos, objeto de grande esforço e determinação do SINDEPES/DF, tornou-se realidade por meio das Portarias 1.095 de 25 de outubro de 2018; e 554 de 11 de março de 2019, essa última dispondo sobre emissão e registro de diploma digital.

Ainda como balanço, o SINDEPES/DF manteve diálogos com o presidente da FAPDF e mantenedores associados para que o Conselho Superior da FAPDF fosse ocupado por dois representantes da categoria, tendo indicado para os assentos a reitora da UDF, professora Beatriz Eckert-Holff, e o diretor executivo estratégico da UBEC, professor Márcio Dias. Os conselheiros tomaram posse em abril de 2019.

Maurício Neves relembrou também que, em amistoso e profícuo relacionamento com os dois sindicatos representantes dos trabalhadores na educação, SINPROEP e SAEP, conduziu três negociações para assinatura das convenções coletivas, alcançado significativos ganhos para os mantenedores, entre eles índices do reajuste, do piso salarial, e parcelamento do pagamento do abono. As CCTs com o SINPROEP de 2018 e de 2019 são consideradas como’ modelos de negociação’ para outras entidades do território nacional.

As Implicações da Reforma Trabalhista nas Relações de Trabalho no Ensino Superior foi tema de seminário promovido pelo SINDEPES/DF, demonstrando interesse de específicos departamentos das faculdades em participar desse tipo de evento, que teve como expositor o advogado José Roberto Covac, diretor jurídico do SEMESP, especialista em direito educacional, explicando aos participantes aspectos da vigência das convenções coletivas, banco de horas firmado por pacto individual, contratação de serviço autônomo, alteração do contrato de trabalho, homologação de acordo extrajudicial, dispensas imotivadas, teletrabalho incluído na CLT, entre outros tópicos.

Em outro encontro, mirando contextualizar novas fronteiras, o SINDEPES/DF promoveu a palestra ‘Ensino Superior, A Nova Economia e A Nova Educação’, que explorou as consequências e influência das transformações digitais sobre o universo do trabalho.

No mesmo sentido, o SINDEPES/DF reuniu em seu auditório técnicos de empresa especializada em soluções tecnológicas, e certificações digitais, para esclarecer aos mantenedores, e corpo diretivo das faculdades, como se dará o processo de segurança na digitalização e certificação de documentos acadêmicos, incluindo o diploma digital, exigência da Portaria 554 de março de 2019, acima citada.

Como resultado de campanha para expandir o quadro de filiados, o SINDEPES/DF recebeu a adesão do grupo KROTON/ ANHANGUERA; do grupo IBMEC; do grupo MAKENZIE; e do grupo IDP.

Finalizando seu discurso, Maurício Neves disse que a expectativa é de que a nova diretoria mantenha coeso o sindicato em torno dos interesses da categoria, com atenção voltada aos cenários e condições que regem o ensino superior no distrito federal.

O presidente eleito para o mandato de 2019 a 2022, o professor Luiz França, da FACULDADE LS, admitiu grande desafio que tem pela frente. Ele adiantou que vai buscar novos associados. “Somos vistos como subproduto da educação pública, e temos que mostrar que somos muito mais que isso”, ressaltou. Diretor executivo da LS, o novo presidente do SINDEPES/DF afirmou que irá dar continuidade ao trabalho de seus predecessores. “Vou continuar essa história, mostrar ainda mais a importância do ensino superior particular”, cravou.

O novo presidente tomou posse em um coquetel realizado na sede do SINDEPES.

Confira aqui as fotos da posse

Back to top