POR MARIANA TOKARNIA - REPÓRTER DA AGÊNCIA BRASIL - AGÊNCIA BRASIL – 23/03/2020 – BRASÍLIA, DF

Instituições de ensino superior recorrem à educação a distância para manter o ritmo de estudos em locais onde as faculdades e universidades não estão funcionando, para evitar a propagação do novo coronavírus (covid-19). Esta semana, o Ministério da Educação (MEC) publicou portaria autorizando a modalidade em cursos presenciais, ressaltando que a qualidade das aulas deve ser mantida. A Agência Brasil conversou com especialistas para esclarecer como as instituições devem se preparar e quais os direitos que os estudantes têm neste momento.

A portaria publicada pelo MEC na quarta-feira (18) autoriza que as aulas sejam transmitidas de maneira remota. Para isso, o MEC deve ser comunicado, e as instituições que optarem pela oferta a distância devem se preparar. As regras não valem para práticas profissionais de estágios e de laboratório, que só podem ser realizadas presencialmente.

Na quinta-feira (19), o MEC autorizou também que sejam dadas a distância as disciplinas teórico-cognitivas do primeiro ao quarto ano dos cursos de medicina. Até então, nenhuma aula desses cursos poderia ser dada por meios remotos.

`É importante que se entenda que essas medidas são provisórias`, diz Luiz Curi, presidente do Conselho Nacional de Educação (CNE), que é a entidade responsável, entre outras coisas pelo cumprimento da legislação educacional e por zelar pela qualidade do ensino. `A instituição tem que fazer um esforço complementar no sentido de permitir o cumprimento da portaria com qualidade. Todo mundo tem que fazer um esforço extra para que as coisas ocorram na normalidade`.

Confira a matéria completa nesse link

SANDRA MANFRINI - UOL EDUCAÇÃO – 19/03/2020 – SÃO PAULO, SP

Os cursos de Medicina poderão ter aulas a distância de disciplinas teóricas-cognitivas do primeiro ao quarto ano do curso durante a pandemia do novo coronavírus.

A autorização consta de uma nova Portaria do Ministério da Educação, publicada em edição extra do Diário Oficial nesta quinta-feira, que faz alterações no ato de ontem, que autorizou as aulas à distância para instituições federais de ensino superior nesse período de enfrentamento da covid-19.

Na portaria de ontem, a modalidade a distância não poderia ser aplicada aos cursos de Medicina nem às práticas profissionais de estágios e de laboratório dos demais cursos.

Com o ato de hoje, o Ministério da Educação abre essa possibilidade para os cursos de Medicina no caso de matérias teóricas. A modalidade continua vedada para práticas profissionais de estágios e laboratórios.

POR ANSA - IG EDUCAÇÃO – 18/03/2020 – SÃO PAULO, SP

A Unesco anunciou nesta quarta-feira (18) que metade dos estudantes em todo o mundo está sem aulas em decorrência da pandemia do novo coronavírus.

Escolas e universidades de 102 países fecharam completamente suas portas devido ao coronavírus , afetando mais de 850 milhões de alunos de todas idades. Entretanto, outras 11 nações optaram em fechar parcialmente suas instituições de ensino.

`Isto impõe aos países desafios imensos para poder proporcionar um aprendizado ininterrupto a todas as crianças e jovens de maneira equitativa`, disse a diretora geral da Unesco , Audrey Azoulay.

Já Vincent Defourny, representante da entidade, listou em uma entrevista à ONU News alguns conselhos para `aliviar` o impacto sobre o fechamento das instituições.

`A Unesco aconselha a aliviar o impacto sobre o currículo escolar de várias formas. A primeira coisa é fazer o uso mais extensivo possível de todos os recursos a distância, que podem ser pela internet, pela rádio, pela televisão e todas as formas que permitem aprender e manter contato com a aprendizagem a distância`, disse Defourny.

De acordo com os dados da Universidade Johns Hopkins, há no mundo 204.255 casos confirmados de coronavírus e 8.243 mortes registradas. O país mais afetado é a China, com 81.102 infectados, e é seguida por Itália (31.506), Irã (17.361) e Espanha (13.910).

POR AGÊNCIA O GLOBO - IG EDUCAÇÃO – 18/03/2020 – SÃO PAULO, SP

O Ministério da Educação (MEC) publicou nesta quarta-feira uma portaria que regulamenta a substituição de aulas presenciais por aulas à distância pelas instituições de ensino superior enquanto durar a pandemia de coronavírus. Segundo a portaria, o recurso pode ser utilizado por 30 dias e pode ser prorrogado dependendo das orientações do Ministério da Saúde e de órgãos sanitários locais.

O MEC exclui cursos de Medicina da permissão. Estágios e práticas em laboratório também não pode ser feitos à distância, de acordo com a portaria. A regra define ainda que caberá às universidades definir quais disciplinas poderão ser substituídas por educação à distância (EAD), assim como disponibilizar as ferramentas necessárias para que o conteúdo possa ser transmitido virtualmente.

A portaria do MEC permite ainda a suspensão de atividades acadêmicas durante o mesmo período de 30 dias. Nesse caso, determina que as atividades sejam totalmente repostas depois. Também é permitido que as instituições antecipem as férias desde que reponham o conteúdo depois.

Um balanço da Associação de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES), que representa universidades do setor privado, identificou que já há interrupção de aulas nessas instituições em todos os estados do país devido ao novo coronavírus .

POR AGÊNCIA BRASIL - IG EDUCAÇÃO – 03/02/2020 – SÃO PAULO, SP

O Programa Universidade para Todos (ProUni) registrou 1.507.807 inscrições, feitas por 782.497 pessoas. O curso com o maior número foi Direito, com 137.507 inscritos, seguido de Administração, com 121.871 e Enfermagem, que teve 102.902 candidatos. Medicina liderou com o maior número de inscrições por vaga ofertada: 54, logo à frente de Artes Cênicas, com 50 candidatos por vaga e de Comunicação Social – Cinema, com 41.

Os estudantes tiveram da última terça-feira (28) ao sábado (1º) para se inscrever no ProUni . Eles concorrem a 252.534 bolsas, das quais 122.432 são integrais e 130.102, parciais (50%). Foram feitas 1.226.797 inscrições para o benefício de 100% do valor e 280.290 para o de metade.

O número de inscrições é maior que o de inscritos porque cada participante pode escolher até duas opções de instituição, curso e turno. O resultado da primeira chamada sai amanhã (4). O prazo para comprovação das informações e eventual processo seletivo próprio das instituições (primeira chamada) vai de 4 a 11 de fevereiro. A divulgação dos resultados da segunda chamada sai no dia 18 de fevereiro.

Programa

O ProUni é um programa que oferece bolsas de estudos, integrais e parciais, em cursos de graduação e sequenciais de formação específica em instituições particulares de educação superior.

Podem participar estudantes que tenham cursado todo o ensino médio na rede pública, ou na rede particular na condição de bolsista integral; estudantes com deficiência; professores da rede pública de ensino, no efetivo exercício do magistério da educação básica, integrantes de quadro de pessoal permanente de instituição pública.

Para concorrer às bolsas integrais, o estudante deve comprovar renda familiar bruta mensal, por pessoa, de até um salário mínimo e meio. Para as parciais, a renda familiar bruta mensal deve ser de até três salários mínimos por pessoa.

Só pode se inscrever no ProUni o estudante que não tiver diploma de curso superior, que tenha participado do Enem mais recente e obtido, no mínimo, 450 pontos de média das notas, e nota acima de zero na redação.

Back to top